Mudanças climáticas: o que podemos fazer para combater?

No último mês, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, um órgão da ONU, publicou um estudo que revela os impactos da interferência humana nas alterações climáticas no mundo. De acordo com o relatório, os humanos causaram um aumento de 1,07ºC na temperatura média do planeta.

Entre alguns pontos de destaque no artigo, o órgão também concluiu que essas interferências não têm precedentes ao longo de séculos; elas foram causadas por ações das últimas décadas. A cada ano, a mudança na temperatura fica mais evidente, gerando instabilidades e eventos extremos em todas as regiões do globo, como ondas de calor, chuvas fortes, secas e ciclones tropicais, além das extinções de espécies e aumento do nível do mar, desencadeados pelo aquecimento global.

O aquecimento global é causado pelo “efeito estufa”: o agravamento de um processo natural da Terra, em que estão presentes os chamados gases de efeito estufa, como o CO2. Embora seja um fenômeno necessário, a sua intensificação é prejudicial. Esse aumento está relacionado às ações humanas e é provocado por poluição, desmatamento, queimadas etc.

O assunto tem aparecido nas provas dos vestibulares e, geralmente, as questões exigem conhecimento sobre as causas, consequências e possíveis soluções para o problema. Governos, empresas e entidades buscam formas de minimizar esse impacto a nível global.

Mas o que podemos fazer, individualmente, para diminuir os impactos? Anote cinco medidas que podem ser tomadas para contribuir para a redução de danos.

1) Combate ao desperdício

Segundo dados da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), o brasileiro gera, em média, 387 kg de resíduos por ano, mas apenas 58% desse lixo é destinado corretamente. Despachados em lixões ou aterros, os resíduos liberam gás metano na decomposição, um grande causador do efeito estufa.

Como boa parte do lixo produzido no País vem dos restos de comida, uma maneira simples de evitar o desperdício e, consequentemente, diminuir o lixo é planejar as compras e aprender novas receitas para reaproveitar as sobras! 🙂

2) Redução do uso de carro

O Dia Mundial sem Carro é celebrado no dia 22 de setembro e visa relembrar a importância de deixar o carro na garagem sempre que possível, afinal, veículos também emitem gases de efeito estufa e contribuem para o aquecimento global.

O aumento do uso de automóveis nas últimas décadas também se evidencia na qualidade do ar: a poluição e a produção de resíduos tóxicos são resultados de processos como a queima de combustíveis fósseis, como a gasolina.

A alternativa é utilizar os transportes públicos e ir a pé quando for possível. O uso da bicicleta também é uma excelente opção e bem menos poluente, mas que não depende exclusivamente de uma escolha pessoal: é preciso políticas públicas que possibilitem essa mudança, com ciclovias e ciclofaixas destinadas aos ciclistas.

3) Realizar a separação do lixo

As lixeiras para a coleta seletiva também podem estar presente nas casas e contribuir para a redução, o reaproveitamento e a reciclagem do lixo.

A correta separação faz toda a diferença: facilita a utilização do lixo como matéria-prima para outros produtos e também evita uma parte significativa dos processos de decomposição.

Outra sugestão é fazer uso da compostagem caseira para transformar resíduos orgânicos em adubo para sua horta ou jardim. Ela ajuda a diminuir boa parte do lixo gerado em casa e alivia a demanda por aterros sanitários.

4) Evitar o uso de canudos e copos descartáveis

Os canudos compõem 4% de todo o lixo plástico a nível global e não são biodegradáveis – levam até 1000 anos para se decompor. Esses utensílios, usados por poucos minutos e produzidos a partir de matéria prima fóssil, poluem os oceanos e se dissolvem em partes menores, terminando na cadeia alimentar dos peixes e causando a morte de diversas espécies.

Ao priorizar o uso de canudos e copos reutilizáveis é possível diminuir em até 80% todos os resíduos descartáveis e reduzir a emissão dos gases do efeito estufa.

5) Economizar luz e água 

Reduzir o consumo de energia e água contribui tanto para as finanças quanto para o meio ambiente, principalmente nos períodos mais secos do ano. Nessa época, os níveis dos reservatórios de água ficam mais baixos e é preciso acionar as usinas termelétricas, que emanam mais gases de efeito estufa na atmosfera.

Uma boa sugestão é utilizar lâmpadas fluorescentes e fazer o reaproveitamento da água para lavar o quintal.

Pequenas atitudes diárias fazem toda a diferença. Por isso, ensinamos aos nossos alunos desde cedo a importância da coleta seletiva, da reciclagem e do cuidado com o meio ambiente.

Projetos como Hortinha Elite contribuem não apenas para os estudantes aprenderem sobre o cultivo das plantas, mas também para que entendam o processo de compostagem, crescimento, produção e alimentação na nossa sociedade.

Nada precisa ser desperdiçado e, juntos, podemos trazer uma contribuição positiva!💙

⏩Quer fazer parte da nossa família? Faça a sua pré-inscrição no Bolsão 2022!

Escrito por:
Larissa Florentino


Posts relacionados: