Profissão: pesquisador

Saiba mais sobre o percurso dos profissionais que optam pela pesquisa acadêmica!

 

Para que possamos compreender algo novo, independentemente do que seja ou de a qual área pertença, precisamos estudá-lo até que tenhamos conhecimento suficiente ao ponto de alcançarmos a devida compreensão. Sabemos, contudo, que talvez não seja tão simples visualizar como esse processo de pesquisa acontece. 

Para te ajudar a conhecer mais sobre o trabalho dos pesquisadores, trouxemos um exemplo do audiovisual! Você já viu ou ouviu falar sobre o filme Radioactive? Então, essa produção, que é baseada na biografia de Marie Curie, narra a vida da primeira mulher a ganhar o prêmio Nobel.

Ao longo do filme, nós nos deparamos com cenas de Marie Curie e seus colegas de profissão testando todo o conhecimento teórico, que adquiriram através de anos de estudo, na prática, por meio de experimentações. Todo esse trabalho teórico e prático resultou na descoberta de dois novos elementos químicos, o rádio e o polônio, que, inclusive, deram início ao uso da radioatividade.

Até aqui, já temos uma breve noção de como a pesquisa ocorre e o quão importante é para que possamos evoluir em diversos campos do saber, mas, afinal, como nomeamos o profissional que está por trás de sua realização? Apesar de o trabalho ser complexo, o nome que o designa é mais simples do que parece: pesquisador – profissional dedicado à produção de conhecimento.

A preparação para se tornar um pesquisador, muitas vezes, começa logo no início da faculdade, quando o aluno desenvolve maior interesse por uma disciplina em especial. O segundo passo para que o estudante comece, de fato, a trabalhar com a pesquisa é conquistar uma bolsa de iniciação científica, responsabilidade que, além de oferecer uma remuneração e a estrutura necessária para a realização do estudo, trará grande experiência acadêmica e profissional.

Depois de concluída a graduação, o aluno inicia o mestrado e, em seguida, o doutorado – ambos cursos de pós-graduação. Durante esse período, o estudante terá a oportunidade de se aprofundar ainda mais no assunto estudado. Após concluído o doutorado, estará apto para prestar concurso e, sendo aprovado, trabalhar como pesquisador e docente – contemplando horas de pesquisa e também de sala de aula.

Além de biológicas e exatas, as oportunidades de pesquisa podem ser encontradas em todas as áreas do saber, inclusive na de humanas. No curso de Letras, por exemplo, há um departamento dedicado à linguística, área de estudo científico da linguagem. O linguista se dedica aos estudos sobre a língua, a fala e a linguagem, investigando as nuances e os desdobramentos relacionados à linguagem humana.

Alguns programas oferecem ainda bolsas de estudo para alunos que desejam estudar em outros países – lembrando que é necessário ficar ligado no período de inscrição do programa, prestar atenção aos requisitos exigidos e manter um bom rendimento acadêmico para concorrer às bolsas.

E aí, será que a sua listinha de possíveis profissões futuras ganhou mais um item? 🙂

Escrito por:
Amanda Lira


Posts relacionados: